Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus (Mt. 5:9 – NVI)

Feisty_Jamanta

Jamanta[1] é um grande exemplo de pacificadora. Se dependesse da Feisty[2], a convivência das duas estaria em permanente pé de guerra. Apesar de ser consideravelmente maior que a Feisty, ela suporta suas implicâncias e procura sempre viver em paz, mesmo quando seus direitos são invadidos. Aliás, é bom lembrar que muitas vezes o caminho da paz passa por abrir mão de nossa razão.

Jesus nos ensinou que os pacificadores seriam chamados filhos de Deus. Esta afirmação soa para mim mais ou menos assim – o filho se parece com o pai. Se você for pacificador, você demonstra que você é filho de Deus porque Ele é pacificador.

A palavra “pacificador” no grego, é a combinação do substantivo “paz” com o verbo que significava “fazer”. O presença deste verbo no termo “pacificador” nos faz concluir que ser um pacificador não é esperar passivamente que a paz aconteça. Ser pacificador é tomar iniciativa e se esforçar para que haja paz. Ser pacificador é empenhar-se pela paz, construir pontes de reconciliação onde há conflito, oferecer incondicionalmente o perdão onde houve ofensa. O ex-primeiro ministro de Israel, Yitzhak Rabin, premio Nobel da Paz em 1994 que foi assassinado por sua luta pacificadora, sabiamente observou “A paz não se faz com amigos. A paz é feita com inimigos.”

Eis o desafio para os filhos de Deus: “Aparta-te do mal e pratica o que é bom; procura a paz e empenha-te por alcançá-la” (Salmos 34:14 – AA). Só assim seremos parecidos com nosso Pai que entregou seu próprio Filho na cruz do Calvário para nos reconciliar consigo mesmo.

 

[1] Jamanta é o nosso cadela adorável e cativante. Não temos certeza de sua raça, mas ela cativa à todos com a sua ternura e doçura, apesar de seu tamanho.

[2] Feisty é a nossa pequena Chihuahua long hair. Ela é graciosa, mas de personalidade forte e às vezes um pouco antissocial. Ela provoca constantemente a Jamanta.