Technological stupiding

Tags

, , , , , ,

Tecnologias_crazyjpgWe live a time that technology slaves us. The social medias, smartphones, electronics equipment and the manipulations of marketing have made of us puppets dominated by futilities. It’s time for a serious reflection on these reigning obsessions, and very present in our days. We are missing one of fundamental principles of Gospel of that “all things are lawful for me, but I will not be brought under the power of any” (1 Corinthians 6:12). We live at a time when we become easily “slaves” of many things. Wise are those who discover early on that: “It is for freedom that Christ has set us free” (Gal 5: 1). Everything that enslaves us or dominates us, have to be seriously questioned. We are servants of one Lord: Jesus. I remember a close friend, who confronted me one day, saying: “You believers are oppressed, can not nothing, everything is prohibited”. I asked his permission, and I grabbed his cigarette portfolio from pocket of his shirt, and asked him: “Do you think may I smoke?” He replied: “Sure, you may do this, but I know that you will not do it because of your principles of life”. Then, I concluded with him: “I know that I might do it, but I know also that I must not do it. Unlike, you know that you must stop to smoke, but you can not do it”. He lowered his head and lamented, “I’ve tried many times, but I can not stop to smoke.” Nothing should dominate us, except the love of Christ that compels us. Peace and Grace!

Emburrecimento tecnológico

Tags

, , , , , ,

Tecnologias_crazyjpgVivemos um tempo em que a tecnologia nos escraviza. As mídias sociais, smartphones, equipamentos eletrônicos e as manipulações de marketing fizeram de nós marionetes dominados por futilidades. É tempo para uma reflexão séria sobre essas obsessões reinantes e muito presentes em nossos dias. Estamos perdendo um dos princípios fundamentais do Evangelho de que “todas as coisas me são lícitas; mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas” (1Co 6:12). Vivemos numa época em que nos tornamos facilmente “escravos” de muitas coisas. Sábios são aqueles que descobrem cedo que: “Cristo nos libertou para que nós sejamos realmente livres” (Gl 5:1). Tudo o que nos escraviza ou nos domina, precisa ser seriamente questionado. Somos servos de um só Senhor: Jesus. Lembro-me de um grande amigo que confrontou-me um dia, dizendo: “Vocês, os crentes, são oprimidos, não podem nada, tudo é proibido”. Eu pedi licença, peguei a carteira de cigarro no bolso de sua camisa, e lhe perguntei: “Você acha que eu posso fumar um cigarro?” Ele respondeu: “Claro, você pode fazer isso. Mas, eu sei que você não vai fazê-lo por causa de seus princípios de vida”. Então, concluí com ele: “Eu sei que eu poderia fazê-lo, mas sei também que eu não devo fazê-lo. Ao contrário, você sabe que deve parar de fumar, mas não pode fazê-lo”. Ele abaixou a cabeça e desabafou: “Eu tentei várias vezes, mas eu não consigo parar de fumar.” Nada deve nos dominar, exceto o amor de Cristo que nos constrange. Graça e paz!

fruits ever seen

Tags

, , , ,

Yesterday, I was touched deeply with a comment posted on one of my articles by a beloved, unforgettable, former and always sheep, Elma Persici. Suddenly, I was like that abducted on the time. Fruto Reino de Deus_ENI traveled on time, reviving very clearly unspeakable moments that we lived together, at the feet of the Lord. At the time, Mrs Persici was just a baby in faith, full of doubts and of endless questions. She has grown, has become a strong, faithful and fruitful Christian in God’s Kingdom. I do not know why, but when I returned from mental journey that has brought me so much joy, came to my mind the Rev. David Wilkerson who impacted generations between the decades 70 and 90, with his ministry among young people addicted to drugs. I wondered the millions of people that was impacted with his ministry, and he heard nothing about them and about their lives transformed by the power of God. I concluded peremptorily: We do not need to see the fruits of our labor in God’s Kingdom. We just need obey: “I appointed you that you should go and bear fruit”. And this makes all the difference.

Frutos jamais vistos

Tags

, , ,

Ontem, me emocionei profundamente com o comentário postado em um dos meus artigos por uma querida, inesquecível, ex e sempre ovelha, Elma Persici. Abruptamente fui abduzido no tempo e revivi momentos inenarráveis que vivemos juntos, aos pés do Senhor. Elma era apenas um bebê na fé, cheia de dúvidas e inesgotáveis questionamentos. Fruto Reino de DeusCresceu, tornou-se uma cristã robusta, fiel e frutífera no Reino de Deus. Não sei por que razão, mas ao retornar da viagem mental que me trouxe tantas alegrias, veio-me a mente o Rev. David Wilkerson que impactou gerações nos anos 70-90 com seu ministério entre os jovens dependente de drogas. Fiquei imaginando as milhões de pessoas que ele impactou e jamais ficou sabendo nada sobre elas e sobre suas vidas transformadas pelo poder de Deus, através de seu trabalho. Conclui peremptoriamente: Não precisamos ver o fruto do nosso trabalho no Reino de Deus, precisamos apenas obedecer: “…vos designei, para que vades e deis frutos e o vosso fruto permaneça”. Isto faz toda a diferença!

Today I am turning 56, a year LESS of life.

Tags

, , , , , , ,

It may seem strange and eSe queres viver, prepara-te para morrerven melancholic, but that’s it: a year LESS of life. Strictly speaking, it would not be today, but as I do not know the day of my departure, I consider the day of my arrival. The Austrian neurologist of Jewish origin, creator of psychoanalysis, Sigmund Freud discerned wisely the secret of life: “If you want to endure life, prepare yourself for death”. This Freudian concept is not so far away, nor is it very different from the Judeo-Christian concept of life. The psalmist cries out to the Lord: “Teach us to number our days, that we may gain a heart of wisdom” (Psalm 90:12). In his prayer the psalmist reveals that to attain insight of finitude of life and to consider with naturalness the ephemerality of it, is to achieve true wisdom. Alienated are those who live as if the earthly life is endless, as if there was not a deadline to fulfill our mission on earth. The insanes waste their lives with banalities, feelings petty, seeking ephemeral trivialities. The prophet Amos, in Chapter 4, strongly condemns the banalities and the foolishness of the people of Israel, concluding with a stern warning: “… prepare to meet your God.” (V.12). Today I am turning 56, a year LESS of my life, that’s it. It is very likely that with 56 years, I have lived more than which I still will live. It is a folly to ignore that there will be an end to this our ephemeral earthly journey. Time is short for frivolities; I have no time to lose, wasting my time with trivialities. I conclude by making my own the words of unforgettable thinker Rubem Alves, in his magnificent article entitled “The time and the jabuticabas[1]”:

“I counted my years and found out that I will have less time to live going forward than I have lived so far. I feel like that girl who won a jabuticabas basin. The first ones, she sucked fecklessly, but realizing that there were only a few, she gnawed down to the stone of the fruit. I do not have time to deal with mediocrities. I do not want to be in meetings with a parade of inflated egos. I do not tolerate fanfaronade. I get uneasy with those envious people that try to destroy those they admire, coveting their seats, talent, and luck. I do not have time for megalomaniacal projects..  I do not have time for megalomaniacal projects. I do not have time for megalomaniacal projects. I will not attend the conferences establishing fixed deadlines to reverse the misery of the world. I don’t want to be invited to events of a weekend with the proposal to shake the millennium. I have no time for endless meetings to discuss statutes, rules, procedures and internal regulations. I have no time to deal with piques of people, who despite the chronological age are immature. I do not want to see the clock hands advancing in meetings of ‘confrontation’, where ‘we try get to the bottom of something’. I hate to do face-to-face of contenders, who fought for majestic post of general secretary of the choir. I remembered how Mario de Andrade that affirmed: ‘people do not debate content, only the labels’. My time has become scarce to debate labels. I want the essence, my soul is in a hurry… Without many jabuticabas in the basin, I want to live beside of human people, very human; folks that know laugh at his blunders; folks that do not dazzle themselves by triumphs; folks who do not consider oneself elected ahead of time; folks that who do not run away from their mortality; folks that defend the dignity of the marginalized, and who desires just walk beside of what is righteous. Walk close to things and real people, enjoying that love absolutely without fraud, will never be a waste of time. ‘The essential makes life worthwhile, and for me the essential is enough.

[1] Jabuticaba is a fruit of the jabuticabeira tree in the family Myrtaceae native to Minas Gerais and São Paulo states in southeastern Brazil. Related species in the genus Myrciaria, often referred to by the same common name, are native to Brazil, Argentina, Paraguay, Peru and Bolivia. It looks like a black grape, but with a very unique taste.

Hoje, completo MENOS um ano de vida.

Tags

, , , , , , , , , , , , ,

Pode parecer estranho e até melancólico, mas é isso mesmo: MENOS um ano de vida. Em rigor não seria hoje, mas como não sei o dia da minha partida, considero o dia da minha chegada.Se queres viver, prepara-te para morrer

O neurologista austríaco de origem judaica, criador da psicanálise, Sigmund Freud discerniu com sabedoria o segredo da vida: “Se queres viver, prepara-te para morrer”. Este conceito freudiano não está tão distante, nem é muito diferente do conceito judaico-cristão da vida. O salmista clama ao Senhor: “Ensina-nos a contar os nossos dias para que o nosso coração alcance sabedoria” (Salmos 90:12). Na sua oração, o salmista nos ensina que atinar para a finitude da vida e considerar com naturalidade a efemeridade dela é alcançar a verdadeira sabedoria. Alienados são aqueles que vivem como se a vida terrena fosse infinita, como se não houvesse um deadline para cumprir a nossa missão na terra. Os insanos desperdiçam suas vidas com banalidades, sentimentos mesquinhos e buscas de trivialidades efêmeras. O profeta Amós, no capitulo 4, condena veementemente as banalidades e a insensatez do povo de Israel, concluindo com uma séria advertência: “… prepare-se para encontrar-se com o seu Deus.” (v.12).

Hoje, completo MENOS um ano de vida, isto mesmo. É muito provável que aos 56 anos, eu já tenha vivido mais do que ainda viverei. É um desatino ignorar que não haverá um fim nesta nossa efêmera jornada terrena. O tempo é curto para frivolidades. Não tenho tempo para perder tempo para nugacidades. Termino, fazendo minhas as palavras do saudoso e inesquecível pensador Rubem Alves, em seu magnífico artigo intitulado “O tempo e as jabuticabas”:

“Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos. Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio. Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos. Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de ‘confrontação’, onde ‘tiramos fatos a limpo’. Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral. Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: ‘as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa… Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado do que é justo. Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.’ O essencial faz a vida valer a pena… e para mim basta o essencial.

And if the lawn mower does not work…

Tags

, , , , , , , , , , , , , , , ,

She is already a middle-aged lady. She needs some repairs and is no longer like she was when she was young. I have thought about replacing her, but it is no use.  She is an old love.  It was a gift from a close friend, whom I admire so much, Dr. Peter Heslin. He gave it to me years ago when he moved to Sydney, Australia. She has accompanied me all these years since.  My old lawn mower has shown signs of fatigue and seems to insist on asking for retirement. I insist on having her with me, not for economic reasons but above all, out of affection.  I like old friendships. I like to take care of old friendships and invest in new ones. So she has endured all these years as my partner in caring for my lawn.  If we do not take care of our lawn, the city government will, and then sends us the bill. Taking good care of our lawn, then, is almost a civic duty. Sure it’s not easy, but I like doing it, unlike most Americans who pay $25-$30 each time that someone mows their lawn. PersistênciaGratification comes at the end of the task when we smell the sweet scent of nature. It is an enjoyable feeling seeing the lawn well manicured, seemingly thankful on the following days, when it shines a very special green, appearing full of life. To prepare the machines and follow an ordered and organized sequence for this weekend task is a very pleasant ritual for me.  Days ago when I was organizing the machines for my weekend ritual, something broke the harmony of my routine. My old lawn mower had suffered a breakdown, as result of a heavy rain that had fallen the previous days.   Probably the rain had drenched vital engine parts. However great were my efforts, I could not make it run. While I was trying to start my lawn mower, my friend Luciano Silveira arrived, along with my son-in-law, Celidio. We three insisted on cranking her up, without success. Finally, Luciano sentenced the end of my old lawn mower, supported by my son-in-law: “Pastor, this one can go to the junk yard.” Still hopeful to see my old partner back up and running, I decided to store it to try another day. When I was placing it in the storage, I decided to make one last attempt, and to my surprise, it started. I cut my grass, and my old partner seems to have much life left in her. My experience that Saturday morning made me think about how important persistence is. Victory may be only one attempt away.  I wondered how many times we give up when we are so close. I have tried to guide my life using some principles that have helped me many times. I am no expert on the subject, so my perceptions on the matter on not based on scientific foundations, but rather anecdotal evidence.  Maybe, they will work for you, too.

1) Unsuccessful attempts should not be counted as losses.  They need to be seen as steps in the process of achievement.  The great men and women of world history did not become relevant just by being geniuses, but above all, by being persistent. Thomas Alva Edison was an inventor who accumulated 2,332 patents worldwide for his inventions.[1]  He improved and systematized the mass production of many inventions. He was a dogged pursuer of results, and always saw his unsuccessful attempts as steps in the path to achievement.  His personal convictions fed his persistence: “Many of life’s failures are experienced by people who did not realize how close they were to success when they gave up.”[2]  I have always pursued the principle that the last step is the step of conquest, and not the one of giving up. There will always be another attempt until the goal is reached. The last step should never lead us to giving up. The last step must be the step that puts us on the podium.

2) Murmuring and pessimism compromise the spirit of persistence and postpone achievement. That Saturday when the first attempts to make the lawn mower run signaled that she seemed to have come to an end, I began to murmur. Immediately I remembered a message I had received that morning. A good friend asked me to pray for his missionary trip to San Marcos, TX, where 2000 people had lost their homes due to heavy rains during the week. I felt deeply ashamed to be muttering against something so basic. I murmured just because my old lawn mower was not working, while thousands of people not far from me, were suffering the misfortune of having lost their homes. Most often we murmur about something insignificant while people around us face much greater problems.  Paul encourages us to be thankful in all circumstances: “Give thanks in all circumstances; for this is God’s will for you in Christ Jesus.”[3]  To give thanks to God for all is to recognize that God is in control of our lives and that He takes care of us all the time.

3) A pause in our attempts allows our brains to work on alternative and viable solutions. Though I cannot cite scientific study, I believe that when we occupy our minds with other things that are not the focus of the problem that we are experiencing, whether we disconnect, sleep, or rest, our minds are working in the background, a kind of unconscious reflection, seeking solutions to the problem. There have been many times that I have put something that I was working on in standby mode.  When I returned to think about it, clear and simple solutions flowed.  Often I have lain down with what appeared to be an unresolvable situation in my mind, and surprisingly upon waking in the morning, the solution came as clearly as the daylight. I like to think that this is related to the statement of wise King Solomon: ” It is vain for you to rise up early, to sit up late, to eat the bread of sorrows; For so He gives His beloved sleep”[4]. It seems to me that most of the gigantic daily challenges of Solomon’s Kingdom were solved because of this extraordinary ability of our minds to work while we sleep. Of course, besides the “overnight” supernatural care of God with us, we can still rely on this awesome power of our minds, created by God. I have a feeling that when we relax and loosen the pressure on our minds, it begins to form and shape things creatively, bringing simple and functional solutions to our challenges. I wonder how many times in life we give up of things that we were on the verge of conquering. The great inventor Thomas Edison was obsessed with trying again. He said, “Our greatest weakness lies in giving up. The most certain way to succeed is always to try just one more time.”[5]  Giving up is the disastrous way to definitively bury our dreams. Persistence is the only way that leads us to reach them. If you have tried many times, try one time more. Maybe this will be the last and decisive step to achieve your dream. Our day-to-day is full of good life lessons.  We only need to be tuned in to see them. There is always an old lawn mower near us, teaching us great lessons. God bless you!

[1] Accessed on July 4th, 2015, https://pt.wikipedia.org/wiki/Thomas_Edison#Inven.C3.A7.C3.B5es

[2] Thomas Edison, Accessed on July 4th, 2015, http://pensador.uol.com.br/autor/thomas_edison/

[3] Apostle Paul in 1 Thessalonians 5:18 (NIV)

[4] King Solomon in Psalm 127: 2 (NKJV)

[5] Accessed on July 4, 2015 (http://www.goodreads.com/quotes/90198-our-greatest-weakness-lies-in-giving-up-the-most-certain)

Facebook: será que isso presta?

Tags

, , , , , , , ,

O meteórico avanço do mundo virtual nos últimos 30 anos mudou o modus operandi das relações sociais, políticas e até mesmo econômicas do mundo. Os parâmetros que determinavam as relações humanos até os anos 80, tornaram obsoletos e são apenas lembranças históricas de um tempo que já se foi. Hoje o mundo virtual determina as normas. O interessante é que esta nova realidade vivida neste mufacebookndo pós-internet é amoral. Com isso, não estou afirmando que seja imoral, mas que é desprovida de referência de moralidade. A virtualidade pós-internet abriu uma imensa, ágil e eficaz rede de comunicação do mundo com o mundo. Tornou-se um imenso espaço democrático em que todos, praticamente sem exceção, podem expor seus pensamentos e opiniões. O momento agora é do Facebook que com toda certeza passará o pódium de “rei da rede” para outros e outros que virão após ele.

No meio dessa enxurrada de coisas que transita na rede, especialmente no Facebook, podemos garimpar grandes pérolas e conceitos e valores para a
vida. Não é difícil, temos muitas coisas boas circulando na rede. No entanto, algo me incomodo. Parece que a farta exposição dessas coisas boas empanturrou a galera, tornando-nos apenas contempladores e admiradores destas pérolas. Elas apenas nos impressionam, mas não nos impactam a ponto de produzir mudanças.

Estes dias me peguei numa dessas. Repliquei no meu timeline uma interessante frase de C. G. Jung, o famoso psiquiatra suíço que reinventou os pensamentos de Freud, desenvolvendo a psicologia analítica. Dias depois me vi diante de uma situação que me colocava no grupo dos que apenas contemplam bons pensamentos, mas não permitem que eles produzam mudanças.

Em algumas de nossas casas aqui no Texas, os banheiros sociais são compartilhados com dois ambientes. Em geral, um acesso para a sala de estar ou corredor que leva às áreas sociais da casa, e outro acesso geralmente para o escritório, o que é o nosso caso. Acontece que quando usamos o banheiro, temos que trancar a duas portas e é de se esperar que ao terminarmos, destranquemos as duas, permitindo o acesso de ambos os ambientes. Mas nem sempre na prática isso acontece. Quase sempre destrancamos apenas a porta pela qual estamos saindo. Inúmeras vezes que tentei usar o banheiro enquanto trabalhava no escritório, encontrei a porta trancada por dentro, obrigando-me a dar a volta pela porta de acesso da sala de estar. Numa dessas vezes, sentenciei para mim mesmo: vou começar a deixar trancada a porta de acesso da sala também, assim eles aprendem a destrancar a porta de acesso ao escritório.

Dias depois me deparei com a frase de Jung postada no meu Facebook, que me fez refletir: “Tudo que nos irrita nos outros pode nos levar a um entendimento de nós mesmos”.[1] Imediatamente a ficha caiu. Eu estava redondamente equivocado com aquela reação. Não podemos irritar os outros com aquilo que nos irrita, isto não nos leva a lugar algum.

Jung parece expressar em outras palavras o que o Mestre nos ensinou há dois mil anos: “Portanto, tratem as outras pessoas da mesma maneira que gostariam de ser tratados por elas. Este é o real significado da lei de Moisés e do ensino dos profetas”[2]

É tão simples e direto o ensino de Jesus. O mundo seria outro se vivêssemos este princípio. Eu e você não podemos mudar o mundo, mas podemos melhorar o mundo que orbita ao redor de nós. Antes de reagir, fazer e falar, pergunte-se “é isso que eu gostaria que fizessem comigo?”

Por fim, quando você curtir, replicar, ou compartilhar um lindo pensamento no seu Facebook, pergunte-se: “como isso impactará e mudará a minha maneira de ser. Talvez essa nossa atitude fará do Facebook um instrumento de boas e agradáveis mudanças nas nossas vidas. Que Deus te abençoe!

            [1] Acessado em 6 de agosto de 2015 às 9:45am, http://pensador.uol.com.br/frase/NDMxMzk/

            [2] Evangelho de Mateus 7:12 (VFL)

Sem concorrentes é mais fácil explorar…

Tags

, , , , , , , , ,

uber-taxiMeses atrás desembarquei no aeroporto Santos Dumont no Rio de Janeiro. Procurei um taxi para ir visitar minha irmã, que mora no Leblon. A fila para o taxi era quilométrica, demostrando aparentemente que a oferta era bem menor do que a procura. Procurei uma alternativa para fugir daquela cansativa espera, depois de quase 12 horas de voo. Encontrei um taxista encostado na porta de seu carro. Era muito bom pra ser verdade. Perguntei-lhe se estava livre e como resposta recebi apenas um “boa noite”. Insisti na pergunta e sua reação foi grosseira e estranha. Ele apenas interpelou-me: “Você não sabe dar boa noite?” Constrangido, respondi com um “boa noite” meio sem graça, diante da reação grosseira do taxista. Insisti na pergunta se ele estava livre. Veio então, como resposta, uma segunda pergunta: “Para onde você vai?”. Já sem paciência, respondi que aquilo não era importante para o momento e que eu queria apenas saber se ele estava livre. Nosso tenso diálogo terminou com sua sentença arrogante: “Eu não transporto passageiros sem educação”. Fiquei meio surpreso e sem entender direito. A explicação veio de um senhor que aparentemente trabalhava por ali por perto, e conhecia bem aquela prática: “Eles ficam aqui selecionando as corridas, eles não levam passageiros para corridas curtas e baratas”, explicou o senhor. Aí, caiu a ficha!

O imbróglio envolvendo taxistas, o aplicativo Uber e o poder público nas tentativas de regulamentação do aplicativo revela uma prática protecionista impregnada na mentalidade brasileira que compromete a concorrência, fator determinando para o desenvolvimento de melhor qualidade de serviços e produtos. Na economia de livre mercado a regra tem que ser, vence e prospera quem oferece o melhor serviço ou o melhor produto. Infelizmente, este protecionismo de mercado impregnado na mentalidade brasileira tem atravancado o desenvolvimento de bons serviços e bons produtos no país. É bom que tenhamos o aplicativo Uber e outras tantas, quanto possíveis, alternativas para este e outros serviços e produtos brasileiros. Além dessa mentalidade protecionista, as poucas concorrências em serviços e produtos que temos, ainda são comprometidas com a formação de carteis que controlam setores. Que venha o aplicativo Uber e todas as formas de concorrências para este e para outros serviços e produtos. Somente assim, com a forte competitividade de livre mercado teremos um país desenvolvido, onde o consumidor é respeitado e bem servido.

Sistêmico e epidêmico.

Tags

, , , , , , , , , , , ,

Fui criado num regime disciplinar extremamente rígido. Meus pais, de uma tradição familiar conservadora sempre exigiu de nós um comportamento íntegro e irrepreensível em todo e qualquer situação. corrupçãoSou do tempo que o professor estava sempre certo, e ai de nós se chegássemos em casa com algum tipo de reclamação da escola. Estou seguro de que tal estilo de disciplina familiar legou-nos, a mim e a meus irmãos, fortes princípios éticos que nos impedem de praticarmos deliberadamente atos reprováveis. O policialmente de nossos próprios valores é muito mais forte do que pressão que os padrões sociais possam exercer em nossas atitudes e comportamentos. Isto faz uma enorme diferença.

Lendo sobre os acontecimentos que tem ocupado os noticiários de nosso país há alguns anos, tenho a sensação de que a frouxidão ética tomou uma proporção insuportável em nossa nação. Precisamos, como condição sine qua non para que o nosso país avance, romper, sem mais detença, com este ciclo vicioso que tem acorrentado nosso gigante.

A corrupção sistêmica precisa ser confrontada e vencida. Há quem diga que na política brasileira ninguém é capaz de suportar a pressão da corrupção sistêmica. Entrou na política, se corrompe. Já ouvi até mesmo, que gente boa não deve entrar na política, porque se estraga. Parece ter um certo viés de corrupção impregnado na política brasileira. É desalentador ver que a corrupção no nosso país não é mais um fato isolado, ou um caso esporádico. A corrupção é a regra. Ela está em todas as esferas e em todos os níveis. Desde os funcionários públicos que servem à população, aos poderosos governantes que dirigem o país. Desde as quitandas da esquina, às grandes empreiteiras. Desde as organizações criminosas com suas megas estruturas, às megas igrejas com seus estilos empresariais. O sistema é opressor. Não se envolver com corrupção é um grande desafio que exige um esforço hercúleo, mesmo dos homens de bem e de bons costumes. A corrupção é tão antiga quanto a existência dos primeiros núcleos sociais. O problema é quando ela se torna sistêmica, e quando sua holisticidade leveda toda massa social. Neste ponto, o enfrentamento precisa ser peremptório, doa a quem doer, servindo-me da afirmação recente do senhor Leandro Daiello Coimbra, Diretor Geral da Policia Federal. A ruptura desta cadeia de corrupção sistêmica não acontece apenas com o fim do mensalão, do petrolão ou de qualquer outro. Ela é o resultado do esforço obstinado, mesmo que seja de uma pequena minoria, que esteja disposta a pagar o preço para construir um país melhore e mais justo.

Nestes últimos anos nos governos do PT, os sinais indicam que a corrupção tornou-se epidêmica no país. Esta é uma constatação factual, lamentavelmente. Desculpe-me, meus amigos petistas ou simpatizantes. Aqui não vai nenhuma critica partidária. Pelo contrário, eu sempre fui afinado com valores apregoados pelo petismo. Minha percepção é de que o PT não soube sobreviver à sedução do poder. Como desabafou, semanas atrás, o ícone maior do petismo, Luiz Inácio Lula da Silva: “Hoje nós precisamos construir isso [a utopia] porque hoje a gente só pensa em cargo do partido, a gente só pensa em emprego, a gente só pensa em ser eleito e ninguém hoje mais trabalha de graça”.[1] O PT que nasceu das bases da classe trabalhadora, que apregoou nas suas origens a austeridade e os mais sublimes ideais sociais, chafurdou-se no mais terrível lamaçal de corrupção, nunca antes visto na história desse país. A corrupção não está mais circunscrita aos currais das bestas feras do poder. Ela tornou-se uma quase incontrolável epidemia nacional. O remédio é amargo, mas não há outro caminho a não ser extirpar do poder os corruptos, corruptores e seus tentáculos, doa a quem doer. A minoria ética não pode arrefecer os ânimos. Ela precisa ser pertinaz e incansável para escrever uma nova história do gigante, hoje acorrentado e imobilizado pelo teias da corrupção.

Oxalá não se calem as vozes da justiça. Tomara, prevaleça o bem, a justiça e a verdade, neste turbulento momento que vive nossa nação. Queria Deus que nosso gigante se desvencilhe dos emaranhados da corrupção. Viva nosso querido e sempre muito amado Brasil!

            [1] Acessado em 17 de julho de 2015. (http://oglobo.globo.com/brasil/lula-defende-revolucao-interna-no-pt-hoje-gente-so-pensa-em-cargo-16518440#ixzz3gApU3xV7)