Hoje, completo MENOS um ano de vida.

Tags

, , , , , , , , , , , , ,

Pode parecer estranho e até melancólico, mas é isso mesmo: MENOS um ano de vida. Em rigor não seria hoje, mas como não sei o dia da minha partida, considero o dia da minha chegada.Se queres viver, prepara-te para morrer

O neurologista austríaco de origem judaica, criador da psicanálise, Sigmund Freud discerniu com sabedoria o segredo da vida: “Se queres viver, prepara-te para morrer”. Este conceito freudiano não está tão distante, nem é muito diferente do conceito judaico-cristão da vida. O salmista clama ao Senhor: “Ensina-nos a contar os nossos dias para que o nosso coração alcance sabedoria” (Salmos 90:12). Na sua oração, o salmista nos ensina que atinar para a finitude da vida e considerar com naturalidade a efemeridade dela é alcançar a verdadeira sabedoria. Alienados são aqueles que vivem como se a vida terrena fosse infinita, como se não houvesse um deadline para cumprir a nossa missão na terra. Os insanos desperdiçam suas vidas com banalidades, sentimentos mesquinhos e buscas de trivialidades efêmeras. O profeta Amós, no capitulo 4, condena veementemente as banalidades e a insensatez do povo de Israel, concluindo com uma séria advertência: “… prepare-se para encontrar-se com o seu Deus.” (v.12).

Hoje, completo MENOS um ano de vida, isto mesmo. É muito provável que aos 56 anos, eu já tenha vivido mais do que ainda viverei. É um desatino ignorar que não haverá um fim nesta nossa efêmera jornada terrena. O tempo é curto para frivolidades. Não tenho tempo para perder tempo para nugacidades. Termino, fazendo minhas as palavras do saudoso e inesquecível pensador Rubem Alves, em seu magnífico artigo intitulado “O tempo e as jabuticabas”:

“Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos. Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio. Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos. Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de ‘confrontação’, onde ‘tiramos fatos a limpo’. Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral. Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: ‘as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa… Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado do que é justo. Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.’ O essencial faz a vida valer a pena… e para mim basta o essencial.

And if the lawn mower does not work…

Tags

, , , , , , , , , , , , , , , ,

She is already a middle-aged lady. She needs some repairs and is no longer like she was when she was young. I have thought about replacing her, but it is no use.  She is an old love.  It was a gift from a close friend, whom I admire so much, Dr. Peter Heslin. He gave it to me years ago when he moved to Sydney, Australia. She has accompanied me all these years since.  My old lawn mower has shown signs of fatigue and seems to insist on asking for retirement. I insist on having her with me, not for economic reasons but above all, out of affection.  I like old friendships. I like to take care of old friendships and invest in new ones. So she has endured all these years as my partner in caring for my lawn.  If we do not take care of our lawn, the city government will, and then sends us the bill. Taking good care of our lawn, then, is almost a civic duty. Sure it’s not easy, but I like doing it, unlike most Americans who pay $25-$30 each time that someone mows their lawn. PersistênciaGratification comes at the end of the task when we smell the sweet scent of nature. It is an enjoyable feeling seeing the lawn well manicured, seemingly thankful on the following days, when it shines a very special green, appearing full of life. To prepare the machines and follow an ordered and organized sequence for this weekend task is a very pleasant ritual for me.  Days ago when I was organizing the machines for my weekend ritual, something broke the harmony of my routine. My old lawn mower had suffered a breakdown, as result of a heavy rain that had fallen the previous days.   Probably the rain had drenched vital engine parts. However great were my efforts, I could not make it run. While I was trying to start my lawn mower, my friend Luciano Silveira arrived, along with my son-in-law, Celidio. We three insisted on cranking her up, without success. Finally, Luciano sentenced the end of my old lawn mower, supported by my son-in-law: “Pastor, this one can go to the junk yard.” Still hopeful to see my old partner back up and running, I decided to store it to try another day. When I was placing it in the storage, I decided to make one last attempt, and to my surprise, it started. I cut my grass, and my old partner seems to have much life left in her. My experience that Saturday morning made me think about how important persistence is. Victory may be only one attempt away.  I wondered how many times we give up when we are so close. I have tried to guide my life using some principles that have helped me many times. I am no expert on the subject, so my perceptions on the matter on not based on scientific foundations, but rather anecdotal evidence.  Maybe, they will work for you, too.

1) Unsuccessful attempts should not be counted as losses.  They need to be seen as steps in the process of achievement.  The great men and women of world history did not become relevant just by being geniuses, but above all, by being persistent. Thomas Alva Edison was an inventor who accumulated 2,332 patents worldwide for his inventions.[1]  He improved and systematized the mass production of many inventions. He was a dogged pursuer of results, and always saw his unsuccessful attempts as steps in the path to achievement.  His personal convictions fed his persistence: “Many of life’s failures are experienced by people who did not realize how close they were to success when they gave up.”[2]  I have always pursued the principle that the last step is the step of conquest, and not the one of giving up. There will always be another attempt until the goal is reached. The last step should never lead us to giving up. The last step must be the step that puts us on the podium.

2) Murmuring and pessimism compromise the spirit of persistence and postpone achievement. That Saturday when the first attempts to make the lawn mower run signaled that she seemed to have come to an end, I began to murmur. Immediately I remembered a message I had received that morning. A good friend asked me to pray for his missionary trip to San Marcos, TX, where 2000 people had lost their homes due to heavy rains during the week. I felt deeply ashamed to be muttering against something so basic. I murmured just because my old lawn mower was not working, while thousands of people not far from me, were suffering the misfortune of having lost their homes. Most often we murmur about something insignificant while people around us face much greater problems.  Paul encourages us to be thankful in all circumstances: “Give thanks in all circumstances; for this is God’s will for you in Christ Jesus.”[3]  To give thanks to God for all is to recognize that God is in control of our lives and that He takes care of us all the time.

3) A pause in our attempts allows our brains to work on alternative and viable solutions. Though I cannot cite scientific study, I believe that when we occupy our minds with other things that are not the focus of the problem that we are experiencing, whether we disconnect, sleep, or rest, our minds are working in the background, a kind of unconscious reflection, seeking solutions to the problem. There have been many times that I have put something that I was working on in standby mode.  When I returned to think about it, clear and simple solutions flowed.  Often I have lain down with what appeared to be an unresolvable situation in my mind, and surprisingly upon waking in the morning, the solution came as clearly as the daylight. I like to think that this is related to the statement of wise King Solomon: ” It is vain for you to rise up early, to sit up late, to eat the bread of sorrows; For so He gives His beloved sleep”[4]. It seems to me that most of the gigantic daily challenges of Solomon’s Kingdom were solved because of this extraordinary ability of our minds to work while we sleep. Of course, besides the “overnight” supernatural care of God with us, we can still rely on this awesome power of our minds, created by God. I have a feeling that when we relax and loosen the pressure on our minds, it begins to form and shape things creatively, bringing simple and functional solutions to our challenges. I wonder how many times in life we give up of things that we were on the verge of conquering. The great inventor Thomas Edison was obsessed with trying again. He said, “Our greatest weakness lies in giving up. The most certain way to succeed is always to try just one more time.”[5]  Giving up is the disastrous way to definitively bury our dreams. Persistence is the only way that leads us to reach them. If you have tried many times, try one time more. Maybe this will be the last and decisive step to achieve your dream. Our day-to-day is full of good life lessons.  We only need to be tuned in to see them. There is always an old lawn mower near us, teaching us great lessons. God bless you!

[1] Accessed on July 4th, 2015, https://pt.wikipedia.org/wiki/Thomas_Edison#Inven.C3.A7.C3.B5es

[2] Thomas Edison, Accessed on July 4th, 2015, http://pensador.uol.com.br/autor/thomas_edison/

[3] Apostle Paul in 1 Thessalonians 5:18 (NIV)

[4] King Solomon in Psalm 127: 2 (NKJV)

[5] Accessed on July 4, 2015 (http://www.goodreads.com/quotes/90198-our-greatest-weakness-lies-in-giving-up-the-most-certain)

Facebook: será que isso presta?

Tags

, , , , , , , ,

O meteórico avanço do mundo virtual nos últimos 30 anos mudou o modus operandi das relações sociais, políticas e até mesmo econômicas do mundo. Os parâmetros que determinavam as relações humanos até os anos 80, tornaram obsoletos e são apenas lembranças históricas de um tempo que já se foi. Hoje o mundo virtual determina as normas. O interessante é que esta nova realidade vivida neste mufacebookndo pós-internet é amoral. Com isso, não estou afirmando que seja imoral, mas que é desprovida de referência de moralidade. A virtualidade pós-internet abriu uma imensa, ágil e eficaz rede de comunicação do mundo com o mundo. Tornou-se um imenso espaço democrático em que todos, praticamente sem exceção, podem expor seus pensamentos e opiniões. O momento agora é do Facebook que com toda certeza passará o pódium de “rei da rede” para outros e outros que virão após ele.

No meio dessa enxurrada de coisas que transita na rede, especialmente no Facebook, podemos garimpar grandes pérolas e conceitos e valores para a
vida. Não é difícil, temos muitas coisas boas circulando na rede. No entanto, algo me incomodo. Parece que a farta exposição dessas coisas boas empanturrou a galera, tornando-nos apenas contempladores e admiradores destas pérolas. Elas apenas nos impressionam, mas não nos impactam a ponto de produzir mudanças.

Estes dias me peguei numa dessas. Repliquei no meu timeline uma interessante frase de C. G. Jung, o famoso psiquiatra suíço que reinventou os pensamentos de Freud, desenvolvendo a psicologia analítica. Dias depois me vi diante de uma situação que me colocava no grupo dos que apenas contemplam bons pensamentos, mas não permitem que eles produzam mudanças.

Em algumas de nossas casas aqui no Texas, os banheiros sociais são compartilhados com dois ambientes. Em geral, um acesso para a sala de estar ou corredor que leva às áreas sociais da casa, e outro acesso geralmente para o escritório, o que é o nosso caso. Acontece que quando usamos o banheiro, temos que trancar a duas portas e é de se esperar que ao terminarmos, destranquemos as duas, permitindo o acesso de ambos os ambientes. Mas nem sempre na prática isso acontece. Quase sempre destrancamos apenas a porta pela qual estamos saindo. Inúmeras vezes que tentei usar o banheiro enquanto trabalhava no escritório, encontrei a porta trancada por dentro, obrigando-me a dar a volta pela porta de acesso da sala de estar. Numa dessas vezes, sentenciei para mim mesmo: vou começar a deixar trancada a porta de acesso da sala também, assim eles aprendem a destrancar a porta de acesso ao escritório.

Dias depois me deparei com a frase de Jung postada no meu Facebook, que me fez refletir: “Tudo que nos irrita nos outros pode nos levar a um entendimento de nós mesmos”.[1] Imediatamente a ficha caiu. Eu estava redondamente equivocado com aquela reação. Não podemos irritar os outros com aquilo que nos irrita, isto não nos leva a lugar algum.

Jung parece expressar em outras palavras o que o Mestre nos ensinou há dois mil anos: “Portanto, tratem as outras pessoas da mesma maneira que gostariam de ser tratados por elas. Este é o real significado da lei de Moisés e do ensino dos profetas”[2]

É tão simples e direto o ensino de Jesus. O mundo seria outro se vivêssemos este princípio. Eu e você não podemos mudar o mundo, mas podemos melhorar o mundo que orbita ao redor de nós. Antes de reagir, fazer e falar, pergunte-se “é isso que eu gostaria que fizessem comigo?”

Por fim, quando você curtir, replicar, ou compartilhar um lindo pensamento no seu Facebook, pergunte-se: “como isso impactará e mudará a minha maneira de ser. Talvez essa nossa atitude fará do Facebook um instrumento de boas e agradáveis mudanças nas nossas vidas. Que Deus te abençoe!

            [1] Acessado em 6 de agosto de 2015 às 9:45am, http://pensador.uol.com.br/frase/NDMxMzk/

            [2] Evangelho de Mateus 7:12 (VFL)

Sem concorrentes é mais fácil explorar…

Tags

, , , , , , , , ,

uber-taxiMeses atrás desembarquei no aeroporto Santos Dumont no Rio de Janeiro. Procurei um taxi para ir visitar minha irmã, que mora no Leblon. A fila para o taxi era quilométrica, demostrando aparentemente que a oferta era bem menor do que a procura. Procurei uma alternativa para fugir daquela cansativa espera, depois de quase 12 horas de voo. Encontrei um taxista encostado na porta de seu carro. Era muito bom pra ser verdade. Perguntei-lhe se estava livre e como resposta recebi apenas um “boa noite”. Insisti na pergunta e sua reação foi grosseira e estranha. Ele apenas interpelou-me: “Você não sabe dar boa noite?” Constrangido, respondi com um “boa noite” meio sem graça, diante da reação grosseira do taxista. Insisti na pergunta se ele estava livre. Veio então, como resposta, uma segunda pergunta: “Para onde você vai?”. Já sem paciência, respondi que aquilo não era importante para o momento e que eu queria apenas saber se ele estava livre. Nosso tenso diálogo terminou com sua sentença arrogante: “Eu não transporto passageiros sem educação”. Fiquei meio surpreso e sem entender direito. A explicação veio de um senhor que aparentemente trabalhava por ali por perto, e conhecia bem aquela prática: “Eles ficam aqui selecionando as corridas, eles não levam passageiros para corridas curtas e baratas”, explicou o senhor. Aí, caiu a ficha!

O imbróglio envolvendo taxistas, o aplicativo Uber e o poder público nas tentativas de regulamentação do aplicativo revela uma prática protecionista impregnada na mentalidade brasileira que compromete a concorrência, fator determinando para o desenvolvimento de melhor qualidade de serviços e produtos. Na economia de livre mercado a regra tem que ser, vence e prospera quem oferece o melhor serviço ou o melhor produto. Infelizmente, este protecionismo de mercado impregnado na mentalidade brasileira tem atravancado o desenvolvimento de bons serviços e bons produtos no país. É bom que tenhamos o aplicativo Uber e outras tantas, quanto possíveis, alternativas para este e outros serviços e produtos brasileiros. Além dessa mentalidade protecionista, as poucas concorrências em serviços e produtos que temos, ainda são comprometidas com a formação de carteis que controlam setores. Que venha o aplicativo Uber e todas as formas de concorrências para este e para outros serviços e produtos. Somente assim, com a forte competitividade de livre mercado teremos um país desenvolvido, onde o consumidor é respeitado e bem servido.

Sistêmico e epidêmico.

Tags

, , , , , , , , , , , ,

Fui criado num regime disciplinar extremamente rígido. Meus pais, de uma tradição familiar conservadora sempre exigiu de nós um comportamento íntegro e irrepreensível em todo e qualquer situação. corrupçãoSou do tempo que o professor estava sempre certo, e ai de nós se chegássemos em casa com algum tipo de reclamação da escola. Estou seguro de que tal estilo de disciplina familiar legou-nos, a mim e a meus irmãos, fortes princípios éticos que nos impedem de praticarmos deliberadamente atos reprováveis. O policialmente de nossos próprios valores é muito mais forte do que pressão que os padrões sociais possam exercer em nossas atitudes e comportamentos. Isto faz uma enorme diferença.

Lendo sobre os acontecimentos que tem ocupado os noticiários de nosso país há alguns anos, tenho a sensação de que a frouxidão ética tomou uma proporção insuportável em nossa nação. Precisamos, como condição sine qua non para que o nosso país avance, romper, sem mais detença, com este ciclo vicioso que tem acorrentado nosso gigante.

A corrupção sistêmica precisa ser confrontada e vencida. Há quem diga que na política brasileira ninguém é capaz de suportar a pressão da corrupção sistêmica. Entrou na política, se corrompe. Já ouvi até mesmo, que gente boa não deve entrar na política, porque se estraga. Parece ter um certo viés de corrupção impregnado na política brasileira. É desalentador ver que a corrupção no nosso país não é mais um fato isolado, ou um caso esporádico. A corrupção é a regra. Ela está em todas as esferas e em todos os níveis. Desde os funcionários públicos que servem à população, aos poderosos governantes que dirigem o país. Desde as quitandas da esquina, às grandes empreiteiras. Desde as organizações criminosas com suas megas estruturas, às megas igrejas com seus estilos empresariais. O sistema é opressor. Não se envolver com corrupção é um grande desafio que exige um esforço hercúleo, mesmo dos homens de bem e de bons costumes. A corrupção é tão antiga quanto a existência dos primeiros núcleos sociais. O problema é quando ela se torna sistêmica, e quando sua holisticidade leveda toda massa social. Neste ponto, o enfrentamento precisa ser peremptório, doa a quem doer, servindo-me da afirmação recente do senhor Leandro Daiello Coimbra, Diretor Geral da Policia Federal. A ruptura desta cadeia de corrupção sistêmica não acontece apenas com o fim do mensalão, do petrolão ou de qualquer outro. Ela é o resultado do esforço obstinado, mesmo que seja de uma pequena minoria, que esteja disposta a pagar o preço para construir um país melhore e mais justo.

Nestes últimos anos nos governos do PT, os sinais indicam que a corrupção tornou-se epidêmica no país. Esta é uma constatação factual, lamentavelmente. Desculpe-me, meus amigos petistas ou simpatizantes. Aqui não vai nenhuma critica partidária. Pelo contrário, eu sempre fui afinado com valores apregoados pelo petismo. Minha percepção é de que o PT não soube sobreviver à sedução do poder. Como desabafou, semanas atrás, o ícone maior do petismo, Luiz Inácio Lula da Silva: “Hoje nós precisamos construir isso [a utopia] porque hoje a gente só pensa em cargo do partido, a gente só pensa em emprego, a gente só pensa em ser eleito e ninguém hoje mais trabalha de graça”.[1] O PT que nasceu das bases da classe trabalhadora, que apregoou nas suas origens a austeridade e os mais sublimes ideais sociais, chafurdou-se no mais terrível lamaçal de corrupção, nunca antes visto na história desse país. A corrupção não está mais circunscrita aos currais das bestas feras do poder. Ela tornou-se uma quase incontrolável epidemia nacional. O remédio é amargo, mas não há outro caminho a não ser extirpar do poder os corruptos, corruptores e seus tentáculos, doa a quem doer. A minoria ética não pode arrefecer os ânimos. Ela precisa ser pertinaz e incansável para escrever uma nova história do gigante, hoje acorrentado e imobilizado pelo teias da corrupção.

Oxalá não se calem as vozes da justiça. Tomara, prevaleça o bem, a justiça e a verdade, neste turbulento momento que vive nossa nação. Queria Deus que nosso gigante se desvencilhe dos emaranhados da corrupção. Viva nosso querido e sempre muito amado Brasil!

            [1] Acessado em 17 de julho de 2015. (http://oglobo.globo.com/brasil/lula-defende-revolucao-interna-no-pt-hoje-gente-so-pensa-em-cargo-16518440#ixzz3gApU3xV7)

Know thyself.

Tags

, , , , , , , , ,

As water reflects the face, so one’s life reflects the heart. (Proverbs 27:19 NIV)

Questioning the truth

The sentence “know thyself” is a quote imputed to the Greek Philosopher Socrates, which guided a philosophical thought since the V Century B.C. until a change on the philosophical analysis introduced by Freudians concepts, on the XIX Century. To the Occidental philosophy from Socrates, human happiness is based on full self-understanding only reached through rationality. After Freud, another approach about self-understanding became popular. Emotions started to be recognized as an essential part in this process. So, there is no way of being happy without self-understanding, and the only way to understand ourselves is through emotional transparency. Therefore, only freedom of emotions suffocated by consciousness can bring us human happiness. Humanity has always been in a frenetic search for happiness. Our Lord Jesus lived and taught the Gospel that restored human happiness, in a world full of Socrates racism. In this rationalist world, the search for happiness was based only on full understanding of truth. Moreover, truth was based on absolute self-understanding, trough-exercising rationality.

Because of that, Jesus was questioned several times about “what is the truth”. In the flow of such questions Jesus had taught us the way for real human happiness, which is not based on self understanding through of the rationality paths of Socrates, or even less on the self understanding by release of the pleasure, through overcoming of superego, of Freud. Jesus presents the truth as an understanding of ourselves, through the Creator’s revelation. God, only God as the creator of human kind, is capable of knowing you completely and deeply. Only through a perfect understanding of who we are, through God’s revelation can ensure us genuine happiness.

Having 31 years old and suffering of an agonizing depression, C.S Lewis gave up atheism and hold on to the Christian faith, becoming a huge defense of self understanding through God’s revelation as the only and not replaced way to true happiness.

After becoming Christian, he started to state that happiness would become the main history in his life. This way, he discovered happiness that is born from restoration of our relationship with the Creator. It is the miracle of God’ salvation in Christ making our heart as God’s home that reveals who we are in fact. Because of that Solomon said: “… So one’s life reflects the heart”[1]. In Matthew 12:33 and 34, Jesus compares us to a tree, and in such metaphor He shows perfect harmony as a fruit of self understanding through God’s revelation.

First of all, He states that we are what we produce. “Make a tree good and its fruit will be good, or make a tree bad and its fruit will be bad, for a tree is recognized by its fruit.”[2] For several times we use this verse to explain who are our brothers and sisters and other people. But, that is not Jesus emphasis. If we return to the beginning of the chapter, we will notice that Jesus was dealing with hypocrisy from Pharisees. So that, what Jesus was trying to say here was: Know yourself. Through our fruits we know who we are. Our identity is based on what we produce or leave as legacy. Wherever we go, we sow a little bit of who we are. If we sow peace and happiness, we are from the kingdom of life and fellowship; if we sow hate and fray, we are from the kingdom of darkness and death. Who we are? Our fruits will reveal it.

Secondly, He shows us that each person’s integrity is defined by coherence between what is in fact and what seems to be. “You brood of vipers, how can you who are evil say anything good?“[3] Hypocrisy is to live peacefully with the incoherence of being bad showing good things. True happiness in Christ lays on an authentic life, recognizing our weaknesses and showing ourselves without fear or hypocrisy. There is only one-way to beat our weaknesses: To recognize them! Reputation is what everyone shows to others; character is what is shown through the omniscient power of God. There is no way to happiness living a lie to yourself. Knowing yourself is to do not accept the incoherence between “to be and what seems to be”. Authenticity is a way that leads us to freedom and brings us peace and abundant life. The lightness of an authentic life with no masks is the most precious pearl that adorns a Christian’ life.

In third place, Jesus teaches us that we are the result of what we feed ourselves. “A good man brings good things out of the good stored up in him, and an evil man brings evil things out of the evil stored up in him.”[4] We are a result of what we feed ourselves with. If we feed ourselves with good and healthy things, in return we will have health and wellness. So, that we are also a result of what we hear. If we hear mumbles, complaints and pessimism, from our hearts we will pull bitterness, sadness and defeat. We take from our heart what we allow to fall in it. And, goes into our hearts, things that come through our ears.

My experienced father always taught us that: “a heart becomes pregnant through the ears. So that, be very selective to what you allow your ears to hear”. All Christian virtues ensue from perfect self-understanding. There is no possibility to be happy without knowing the truth about ourselves. The word of God is the mirror that shows who we are. Without such understanding, we will never reach happiness. Therefore, Jesus said: “Then you will know the truth, and the truth will set you free”.[5] May God bless us and make us know who we really are. Only this way, we will reach genuine happiness in our Christian life.

            [1] Proverbs 27:17, NIV

            [2] Matthew 12:33, NIV

            [3] Matthew 12:34, NIV

            [4] Matthew 12:35, NIV

            [5] John 8:32, NIV

Conheça-te a ti mesmo.

Tags

, , , , , , , , , ,

Assim como a água reflete o rosto, o coração reflete quem somos nós. (Rei Salomão em Provérbios 27:19 NVI)

Verdade

 É atribuída ao filósofo grego Sócrates a célebre sentença “conheça-te a ti mesmo”, que orientou o pensamento filosófico desde

o século V a.C. até a mudança da vertente filosófica introduzida pelos conceitos freudianos, no século XIX. Para a filosofia ocidental socrática a felicidade humana está nopleno autoconhecimento alcançado exclusivamente pela razão. A partir de Freud, uma outra abordagem sobre o autoconhecimento passou a imperar. As emoções passaram a ser reconhecidamente a parte fundamental desse processo. Ou seja, não há como uma pessoa ser feliz sem o autoconhecimento e a única possibilidade do autoconhecimento seria a transparência, na área das emoções. Assim, apenas a liberação da emoções sufocadas pelo consciente poderia trazer a felicidade humana. A
humanidade está sempre, numa frenética busca da felicidade.

O nosso Senhor Jesus viveu e ensinou o Evangelho restaurador da felicidade humana, num mundo inebriado pelo racionalismo socrático. Neste mundo racionalista, a busca pela felicidade consistia no pleno conhecimento da verdade. E, a verdade por sua vez, consistia no absoluto conhecimento de si mesmo, pela exercício da própria razão. Por isso, inúmeras vezes Jesus foi questionado sobre “o que é a verdade”. Na correnteza de tais indagações Jesus ensinou-nos o caminho da verdadeira felicidade humana que não está nem no autoconhecimento pelas trilhas do racionalismo socrático, muito menos no autoconhecimento pelo liberação do prazer pela superação do superego, de Freud. Jesus apresenta a verdade como sendo o conhecimento de nós mesmos, através da revelação do Criador. Deus, somente Deus como criador do ser humano pode conhecê-lo completa e profundamente. Somente o conhecimento perfeito de quem somos, através da Revelação de Deus, pode nos proporcionar a felicidade genuína.

Aos 31 anos de idade, chafurdado numa agonizante depressão, C. S Lewis rompeu com o ateísmo e abraçou a fé cristã, tornando-se um grande defensor do autoconhecimento através da revelação de Deus, como único e insubstituível caminho para a verdadeira felicidade. Com sua conversão, passou a afirmar que a alegria se tornara a história central de sua vida. Assim, ele descobriu a felicidade que nasce do restabelecimento do nosso relacionamento com o Criador. É o milagre da salvação de Deus em Cristo, tornando nosso coração habitação de Deus, que nos revela quem de fato somos. Por isso o sábio Salomão afirma: “… o coração revela quem somos nós”[1] . Em Mateus 12:33 a 34 Jesus nos compara a uma árvore e nesta metáfora Ele desvenda a perfeita harmonia, fruto do autoconhecimento que provém da revelação do Pai.

Em primeiro lugar, Ele afirma que somos o que produzimos. “Considerem: Uma árvore boa dá fruto bom, e uma árvore ruim dá fruto ruim, pois uma árvore é conhecida por seu fruto”.[2] Muitas vezes usamos esse versículo para argumentar quem são nossos irmãos, ou outras pessoas. Mas essa não é a ênfase de Jesus. Se retornarmos ao início do capítulo veremos que Jesus estava tratando com a hipocrisia dos fariseus. Assim o que Jesus quer aqui dizer é, conheça-te a ti mesmo. Através dos nossos próprios frutos nós sabemos quem somos. Nossa identidade é firmada naquilo que produzimos ou no que deixamos como legado. Por onde passamos, semeamos um pouco do que somos. Se semeamos paz e alegria somos do Reino de vida e comunhão; se semeamos ódio e contendas, é porque somos do Reino das trevas e da morte. Quem somos? Nossos frutos nos revelam.

Em segundo lugar, Ele mostra, que a integridade de cada pessoa é definida por sua coerência entre o que é, e o que se aparenta ser. “Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas?”[3] Hipocrisia é conviver pacificamente com o contrassenso de ser mau e aparentar coisas boas. A verdadeira felicidade em Cristo repousa em uma vida autêntica, reconhecendo nossas fragilidades e expondo-nos sem medo e sem hipocrisia. Só há uma forma de vencer nossas fragilidades: reconhecendo-as! Reputação é o que cada pessoa se mostra diante do próximo, caráter é o que se mostra diante do onisciente poder de Deus. Não há nenhuma possibilidade de felicidade, vivendo uma mentira para si mesmo. Conhecer-te a ti mesmo é não aceitar a desastrosa dicotomia do “ser e do aparentar ser”. A autenticidade é a pavimentada estrada que nos conduz à liberdade que nos traz paz e vida abundante. A leveza de uma vida autêntica, sem máscaras é a mais preciosa pérola que adorna o caráter cristão. Em terceiro lugar, Jesus nos ensina que somos resultado daquilo com que nos alimentamos. “O homem bom do seu bom tesouro tira coisas boas, e o homem mau do seu mau tesouro tira coisas más”.[4] Somos o resultado daquilo que comemos. Se nos alimentamos de coisas boas e saudáveis teremos como recompensa saúde e bem estar. Assim também somos resultado daquilo, para o que oferecemos nos ouvidos. Se ouvimos murmurações, queixas e pessimismo, do nosso coração tiraremos amargura, tristeza e derrotismo. Tiramos do coração aquilo que permitimos descer ao coração. E, desce ao coração aquilo que entra pelos nossos ouvidos.

Meu velho pai tinha uma máxima que sempre nos ensinou: “o coração se engravida pelos ouvidos. Por isso, selecione bem aquilo para o que você empresta seus ouvidos”, dizia ele.

Todas as virtudes cristãs emanam do perfeito autoconhecimento. Não há possibilidade de felicidade sem conhecermos a verdade sobre nós mesmo. A Palavra de Deus é o espelho que nos revela quem somos. Sem tal conhecimento jamais alcançaremos a felicidade. Por isso, disse Jesus: “…e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.[5] Que o Senhor nos abençoe e nos faça conhecer quem de fato somos. Só assim, alcançaremos a mais genuína felicidade da vida cristã.

[1] Provérbios 27:19, NVI

            [2] Mateus 12:33, NVI

            [3] Mateus 12:34, NVI

            [4] Mateus 12:35, NVI

            [5] João 8:32, AA

E se a máquina de cortar grama não funciona…

Tags

, , , , , , , , , ,

Ela já é de meia idade. Já precisou de algumas recauchutagens, e já não é como era quando novinha. Já pensei em trocá-la por uma mais nova, mas é caso de amor antigo, não adianta. Foi um presente de um grande amigo, a quem admiro muito, Dr. Peter Heslin, quando anos atrás, mudou-se para Sidney, Austrália. Ela me acompanha há anos. Minha velha máquina de cortar grama já da sinais de cansaço, e parece insistir pedindo para aposentar-se. Eu insisto em tê-la comigo, não apenas por uma questão econômica, mas acima de tudo por uma questão afetiva. Gosto de amizades antigas. Gosto de cuidar das velhas amizades e investir em novas. PersistênciaAssim, ela vai vencendo os anos como minha companheira, nos meus agradáveis momento de cuidar do jardim. Cuidar da grama, cortá-la e aduba-la regularmente é uma prazerosa atividade que oxigena minha mente e alivia minhas tensões. A tradição americana de grandes gramados em frente às casas é criteriosamente fiscalizada pelo poder público. Se não cuidamos dele, mantendo-o em bom estado, recebemos uma advertência do governo municipal. Se insistirmos no desleixo, o próprio governo municipal cuida e envia-nos a conta do serviço. Assim, cuidar bem da grama de nossas casas é quase um dever cívico. Claro, não é tarefa fácil, mas eu mesmo gosto de fazê-la, ao contrário da maioria dos americanos que paga 25 ou 30 dólares aos “grameiros”, por cada vez que cortam suas gramas. O gratificando é o fim da tarefa quando sinto aquele agradável cheiro da natureza. É uma gostosa sensação vê-la bem cuidada, parecendo agradecer nos dias subsequentes, devolvendo-nos um verde todo especial, cheio de vida. Para mim, preparar as máquinas e seguir uma sequência ordenada e organizada nesta tarefa sabática é um prazeroso ritual. Dias atrás, quando preparava as máquinas para meu ritual sabático, algo desafinou a rotina. Minha velha máquina sofreu uma pane, consequência de uma grande chuva que caiu nos dias anteriores, provavelmente molhando partes vitais do motor. Por maiores que fossem meus esforços, ela não funcionava. Enquanto tentava, chegou meu amigo Luciano Silveira, juntamente com Celídio, meu genro. Nós três insistimos na tentativa de fazê-la funcionar, sem sucesso. Por fim, Luciano sentenciou o fim da minha velha máquina, apoiado pelo meu genro: “Pastor, essa pode ir para o lixo”. Ainda esperançoso de ver minha velha companheira voltar a funcionar, decidi guarda-la para novas tentativas, outro dia. Quando já estava colocando-a no depósito, resolvi fazer a última tentativa, e para minha surpresa, funcionou. Cortei minha grama, e minha velha companheira parece ter ainda muito fôlego para seguir comigo, por muito tempo.

Minha experiência naquela manhã de sábado me fez refletir sobre o quanto é importante persistir. A vitória pode estar exatamente na próxima tentativa. Fiquei imaginando quantas vezes desistimos quanto estamos tão perto. Tenho tentado pautar minha vida em alguns princípios que tem me ajudado, muitas vezes. Não sou especialista no assunto, por isso, minhas percepções sobre a matéria não possuem fundamentações científicas, mas baseiam-se no empirismo da vida. Pode ser que funcione para você, também:

1) Tentativas frustradas não podem ser contabilizadas como derrotas, precisam ser encaradas como passos no processo das conquistas – Os grandes homens da história universal não se tornaram célebres apenas por serem gênios, mas acima de tudo por serem persistentes. Thomas Alva Edison registrou durante sua vida, 2.332 patentes de suas invenções. Aperfeiçoou e sistematizou a produção maciça de inúmeros de seus inventos.[1] Foi um pertinaz perseguidor de resultados e sempre via seus aparentes insucessos como passos, no processo da conquista. Suas convicções pessoais alimentavam sua persistência: “Muitos dos fracassos desta vida estão concentrados nas pessoas que desistiram por não saberem que estavam muito perto da linha de chegada.[2] Tenho sempre, em minha vida, tentado perseguir o princípio de que o último passo é o passo da conquista, e não da desistência. Sempre haverá mais um tentativa, até que objetivo seja alcançado. O último passo nunca deve nos levar à desistência. O último passo precisa ser o passo que nos coloque no podium.

2) A murmuração e o pessimismo comprometem o espírito de persistência e adiam as conquistas – Naquele sábado, quando as primeiras tentativas de fazer a máquina funcionar sinalizaram que ela parecia ter chegado ao fim, eu comecei a murmurar, mentalmente. Imediatamente lembrei-me de uma mensagem que eu havia recebido naquele dia, logo pela manhã. Um grande amigo me pedia que orasse por sua viagem missionária para San Marcos, interior do Texas, onde 2 mil pessoas haviam perdido suas casas, devido às fortes chuvas da semana. Senti-me profundamente envergonhado por estar murmurando por algo tão banal. Eu murmurava apenas porque minha velha máquina de cortar grama não queria funcionar, enquanto milhares de pessoas há poucas milhas de mim sofriam o desfortúnio de terem perdido suas casas. Na maioria das vezes murmuramos por coisas tão insignificantes, enquanto pessoas ao nosso redor enfrentam problemas infinitamente maiores. Paulo nos encoraja a sermos gratos em todas e quaisquer circunstâncias: “Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus”.[3] Dar graças à Deus por tudo é reconhecer que Deus está no controle de nossas vidas e que cuida de nós todo tempo.

3) Uma pausa em nossas tentativas permite que nosso cérebro trabalhe alternativas e soluções viáveis – Não sei qual o fundamento científico. Mas, eu creio que enquanto ocupamos nossas mentes com outras coisas que não sejam o foco do problema que estamos vivendo, desconectamos, dormimos ou descasamos, nossas mentes trabalham como que em segundo plano, numa espécie de reflexão inconsciente, buscando soluções para o problema. Não foram poucas as vezes que eu coloquei em “stand by”, algo com que eu estava trabalhando, e quando voltei a pensar sobre o assunto, fluiu soluções claras e simples. Muitas vezes, deitei-me com algo que parecia insolúvel em minha mente, e surpreendentemente ao acordar pela manhã, a solução veio de forma tão clara, como a luz do dia. Gosto de pensar que isso tem conexão com a afirmação do sábio Rei Salomão: “Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados Ele o dá enquanto dormem”.[4] Parece-me que a maioria dos gigantescos desafios diários do Reino de Salomão eram solucionados, servindo-se desta extraordinária habilidade de nossas mentes, de trabalhar enquanto dormimos. Além, é claro, do sobrenatural “overnight” cuidado de Deus conosco, podemos ainda contar com este fantástico poder de nossas mentes, criadas por Deus. Tenho a sensação de que quando afrouxamos a pressão sobre elas e relaxamos, elas trabalham de forma criativa e infinitamente melhor, trazendo soluções simples e funcionais para nossos desafios. Fico imaginando quantas vezes na vida desistimos de coisas que estávamos a um passo de conquistar. O grande inventor Thomas Edison era obcecado em tentar mais uma vez. Ele disse: “Nossa maior fraqueza está em desistir. O caminho mais certo de vencer é tentar mais uma vez”[5]. Desistir é a desastrosa maneira de enterrar definitivamente nossos sonhos. Persistir é a única maneira que nos leva a alcança-los. Se você já tentou muitas vezes, tente mais uma. Quem sabe este será o último e decisivo passo para conquistar o seu sonho.

Nosso dia-a-dia está cheio de boas lições de vida, basta estarmos antenas e veremos. Há sempre uma velha máquina de contar grama perto de nós, nos ensinando grandes lições. Que Deus o abençoe!

[1] Acessado em 4 de julho de 2015, https://pt.wikipedia.org/wiki/Thomas_Edison#Inven.C3.A7.C3.B5es

[2] Tomás Edison, Acessado em 4 de julho de 2015, http://pensador.uol.com.br/autor/thomas_edison/

[3] Apóstolo Paulo em 1 Tessalonicenses 5:18 (NVI)

[4] Rei Salomão em Salmos 127:2 (RA)

[5] Thomas Alva Edison. Acessado em 05 de julho de 2015, http://kdfrases.com/frase/117475

Pastores são mulas…

Tags

, , , , , , , , , ,

Não é bem isso que provavelmente você esteja pensando. Siga comigo até o fim, não prejulgue minhas elucubrações, e possivelmente você tangenciará os caminhos dos meus pensamentos.

A distância que nos separa das tragédias da vida parecem minimizar seus impactos sobre nossas emoções. Quanto mais distante, elas nos parecem menos chocantes, e nos passam mais desapercebidas. Ao contrário, quando mais próximas de nós, elas nos afetam mais intensamente.pastor

Tragédias com pastores e suas famílias não são acontecimentos apenas recentes, sempre houve e sempre haverá. Pastores e suas famílias são seres humanos, sujeitos as mesmas vicissitudes experimentadas por qualquer outra pessoa, ou família. No entanto, nos últimos tempos parecem ter se avolumado o número de tragédias, quer por escândalos, quer por fatalidades.

Dias atrás (em 31 de maio de 2015), um acontecimento chocou a cidade de Houston, no Texas. O pastor Phil Lineberger, pastor da Sugar Land Baptist Church, depois de meses enfrentando um processo de profunda depressão, suicidou-se. Quatro anos antes, ele pregava no funeral de um de seus melhores amigos, o também pastor John Petty, pastor of Trinity Baptist Church in Kerrville, que também suicidou-se. Este e outros momentos trágicos suscitam muitas perguntas, mas encontram poucas respostas. Quem são esses homens e mulheres que doam suas vidas ao próximo, mas que muitas vezes sofrem tanto? Por que se dedicam tanto aos seus rebanhos e muitas vezes não cuidam de si mesmos? Por que estão sempre prontos para cuidar dos outros e na maioria das vezes não tem quem cuide deles?

Em 2007 o Francis A. Schaeffer Institute of Church Leadership Development publicou o resultado de uma pesquisa feita durante 18 anos, sobre pastores e seus ministérios[1]. Ela é extensa e complexa. Porém gostaria de destacar algumas conclusões:

  • 90% dos pastores afirmam que estão frequentemente cansados e desgastados.
  • 89% dos pastores pesquisados consideraram pelo menos uma vez, deixar o ministério.
  • 57% disseram que deixariam o ministério se eles tivessem um lugar melhor para trabalhar, incluindo o trabalho secular.
  • 71% dos pastores afirmaram que estavam queimados, e lutavam contra depressão além de fadiga, semanalmente e até mesmo diariamente.
  • 78% disseram que foram forçados a renunciar suas igrejas, pelo menos uma vez.
  • 63% disseram que foram dispensados de suas funções pastorais, pelo menos, duas vezes.

A pesquisa perguntava a razão de renunciarem ou serem dispensados de seus pastorados. Das 15 razões mas frequentes, as três primeiras foram: liderança fraca, conflitos com pessoas chaves ou liderança leigas, e fofocas. Parece-me que aí está o “x” da questão. Claro, não quero ser simplista e atribuir uma causa única à um problema tão complexo como este. No entanto, eu creio que este tem sido um fator extremamente relevante, principalmente nas denominações históricas em que a responsabilidade do governo eclesiástico é compartilhada entre o pastor e seus líderes. Os conflitos de liderança tem queimado pastores e líderes, e imposto terríveis sofrimentos às igrejas. Sinceramente, não creio na intencionalidade perversa ou má, de nenhuma das partes. Todos, e todas as partes desejam e buscam sinceramente o melhor para a Igreja de Jesus. Eu acredito que as diferentes maneira de ver a realidade têm colocado pastores e líderes em campos distintos e em rota de colisão. E, é neste ponto que identifico características dos pastores com a mula, a mula de Balaão. Se você não se lembra muito bem desta história, sugiro que releia Números 22, antes de continuar a leitura desta minha reflexão.

Comumente, comparar uma pessoa a uma mula pode ser agressivo, ou até mesmo ofensivo. No entanto, as mulas são animais com características muito especiais e interessantes. Pastores são como mulas. As mulas são animais serviçais e dóceis no trabalho pesado. Pastores possuem especial paixão pelo seus ministérios e pelas ovelhas, o que os tornam pessoas de uma incomum dedicação, no que fazem. Eles não têm horário definido de trabalho, e nem funções definidas. Estão de prontidão a todo momento, para o que der e vier. Via de regra, não sabem dizer não quando requisitados, seja para o que for. E, quando por algum motivo precisam dizer não, são tidos como relapsos, omissos e faltosos com as responsabilidades de seus chamados. Mesmo sendo espancada por Balaão, seu dono, ali estava sua mula, resignada e fiel à sua missão, dedicada e pronta para servir. Muitos pastores têm chegado ao total esgotamento pelo simples fato de se dedicarem sem reservas e sem limites aos seus chamados.

Em determinado ponto da caminhada, a mula viu o Anjo do Senhor com uma espada na mão e desviou-se do caminho. Interessante, que apenas a mula viu o Anjo. Nem Balaão, nem seus dois auxiliares que viajavam com ele podiam ver o anjo. Isso se repetiu por três vezes e, Balaão a espancava, sem entender as reações da mula. Por fim, não tendo por onde passar, a mula empacou no caminho e foi duramente espancada, e o Senhor a fez falar.

O pastor, muitas vezes, é um visionário solitário. Sua vocação o privilegia, permitindo-lhe “ver anjo” no caminho, onde muitas vezes, ninguém vê. Suas reações e as direções de suas escolhas não podem ser entendidas por aqueles, para quem o Senhor não permitiu “ver o anjo” no caminho. Por vezes, eles são açoitados com duras críticas por aqueles que não podem “ver o anjo”. E, muitas vezes o Senhor não os permite falar, como permitiu à mula de Balaão. Eles precisam caminhar solitários, enfrentando os açoites dos ventos contrários. Muitos deles sucumbem à tão intensa pressão, adoecem física e emocionalmente. Esta tensão torna-se significantemente maior nas denominações em que a condução da igreja precisa ser compartilhada em harmonia com a liderança leiga da igreja.

Por esta causa, o autor da carta aos Hebreus exorta-nos: “Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil”[2]. O autor de Hebreus dá fortes razões para que sejamos obedientes aos nossos pastores: porque velam por vossa alma; porque isso [servir com gemidos de dor] não vos seria útil. Em outras palavras, o autor está dizendo que todos saem perdendo com o espírito de desobediência e rebelião na Igreja. Urge, que a Igreja de Jesus retorne ao reto caminho de ser mais Corpo de Cristo e menos empresa; que os líderes leigos e pastores sejam mais servos e menos gerentes; que as Igrejas sejam mais campinas verdejantes que alimentem seus rebanhos e menos currais e empresas. Que o Senhor nos abençoe!

[1] Acessado em 29 de junho de 2015, http://www.intothyword.org/apps/articles/default.asp?articleid=36562&columnid=3958

[2] Hebreus 13:17 (ARC)

Eles precisam de nosso tempo, mais do que qualquer outra coisa….

Tags

, , , , , , , ,

Minha vida estava um loucura. Meu ativismo chegou a tal ponto, que algumas vezes ia em casa apenas para trocar a mala de roupa, e viajar novamente. Quando estava em casa, saía quando as crianças ainda estavam dormindo, e retornava quando eles já tinham ido para a cama. Por vezes, passava dias sem vê-los acordados. Eu era escravo de uma agenda louca e tirana.

Aline TheodoroNum desses dias cansativos e estressantes, eu já me preparava para ir embora mais cedo e minha secretaria me alertou: “Pastor o senhor ainda tem um atendimento hoje”. Voltei ao meu escritório, esperando a pessoa. Minutos depois minha princesinha Aline, que na época tinha 13 anos, entrou na minha sala e sentou-se na cadeira à minha frente. Olhei com carinho para ela e disse: Filhinha, papai ainda tem um atendimento. Espere lá fora que já vamos para casa. Ele olhou direto nos meus olhos, firme e determinada como sempre foi, disparou: “Pai, o seu atendimento é comigo. Já que meu pai não tem tempo pra mim, eu vim conversar com meu pastor.”

Não me lembro muito qual era o assunto, mas jamais esqueci a lição. Abracei Aline, e não consegui conter as lágrimas. A ousadia e personalidade forte e determinada de Aline me ensinou uma grande lição: nossos filhos precisam de nosso tempo, mas do que qualquer outra coisa. A vida passa rápido, e quando assustamos eles já são adultos, e os melhores momentos ficaram para trás. Que Deus nos abençoe!